Skip to content

Quer gozar? Masturbe-se!

5 abril, 2015

Vamos bater um papo?!

Lá em julho de 2008 (sim! Esse blog já existe há 7 anos!), escrevi:

Do simples ao elaborado!
Friccionando as pernas, com os dedos, a mão, as duas mãos, com o chuveirinho, com o travesseiro, com objetos variados, com vibradores (incluindo celular e o mini-massageador de costas), enfim… Usando a imaginação, opção é o que não falta!

Não. Opção não falta mesmo! Leia mais…

So, do u think u can think…

25 março, 2015

pensamentosMeu melhor amigo, em nossas discussões sobre pesquisa, costuma dizer que quando você está perto de terminar o trabalho (monografia, dissertação ou tese) é que você se sente pronto para começar. Concordo por motivos óbvios. É claro (pelo menos pra mim) que quando o caminho se torna conhecido os erros ficam mais nítidos, os equívocos gritam, as opções se multiplicam etc., e nos perguntamos (pelo menos eu, novamente rs): “mas por que mesmo que fiz assim?”; ou “por que eu não fiz isso?”. Isso me leva a crer que o que fode é sempre o imprevisível (algo me diz que já escrevi algo parecido por aqui…). Leia mais…

Entregar o coração

12 junho, 2014

930FA Entregar o coração não é coisa de momento, felicidade passageira. Entregar o coração implica em alma compartilhada, num eu dividido… Por isso entregá-lo às vezes é tão difícil. É fato que nem sempre o querem, recebem-no, cuidam-no… Mas tem quem o ache, zele, acarinhe e como num passe de mágica o ganhe! É diferente quando não é preciso falar nada, é diferente quando o quando, o como e o porquê se comprazem ao QUANTO! – Copa pode até ter só de quatro em quatro anos… Mas quanto tempo você esperou pra encontrar alguém especial? Desculpem-me, mas não tem jogo do Brasil em Copa que me “tire” do lado de quem amo.

Feliz dia das namoradas!

Para Alex, com carinho

8 março, 2014

l121preto_1

Por Jean Wyllys

Semelhante a Alex, que morreu espancado pelo próprio pai, quando criança eu também não tinha “jeito de homem”; gostava de brincar com as meninas, gostava de cantar e dançar.

Quem me acompanha por aqui sabe que não tenho, por hábito, tratar de minha vida privada nem de minha intimidade. Concentro-me em debater idéias e fatos, sobretudo os ligados ao meu trabalho ou ao meu consumo cultural. Mas hoje vou abrir uma exceção…

Talvez seja a proximidade do aniversário de 40 anos, talvez seja o acúmulo de sentimentos não processados devido ao trabalho árduo dos últimos três anos, mas a verdade é que ando à flor da pele… Leia mais…

“Cuidado comigo”

12 janeiro, 2014

280779_Papel-de-Parede-Quebra-Cabeca-do-Amor_1600x900

Cuidado: palavra que vai da precaução ao zelo.

Olhando os relacionamentos a minha volta e os que já tive, acho que seria possível resumir os problemas de todos nessa palavra simples – CUIDADO: atenção para o que você faz de mais ou de menos; precaução com as palavras e gestos; e zelo, aquele carinho que as namoradas querem ganhar apenas de suas namoradas.

Leia mais…

Cartunista gay explica como é namorar transhomens

2 dezembro, 2013

Apesar do texto abaixo fazer referência a uma relação homossexual masculina entre um homem e um transhomem, a lógica também serve para mulheres ;) 

Autor:  | 20/novembro/2013

A sexualidade humana é algo fascinante e com muito mais gradações que as simples oposições homem-mulher ou gay-hétero. Muitas vezes as pessoas acabam “arredondando” suas preferências para simplificar sua vida ou o convívio social, deixando de fazer coisas que gostariam para conseguirem se encaixar em algum estereótipo. Ou escondem o tipo de pessoa ou atividade que gosta de praticar das pessoas com que convivem para não ter que ficar dando explicações ou satisfações. Ou pura preguiça de ter que fazer o mesmo discurso mais uma vez.

Leia mais…

Nada mais a esconder… [?]

22 novembro, 2013
by

Publicado originalmente em Parallel Lines:

II Capítulo

city_night-00000

Ler ouvindo: Boyce Avenue (cover) – Best of you

Parte 15

Débora

Ao som das palmas da Cinthia, imediatamente as duas pararam. E eu, sem reação, simplesmente fiquei congelada no mesmo lugar, com um misto de quem não acreditava ter visto o que vi e a lembrança das sensações e da última conversa que tive com ela.

Ver original 1.509 mais palavras

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 222 outros seguidores