Skip to content

Traição

16 agosto, 2008

                                                                                 Por: Té Pazzarotto

.

A traição é um “passo-a-passo” pra quem trai e pra quem é traído.

Para a parte passiva desse “processo” primeiro há a desconfiança, aquele mal-estar extremamente desconfortável. Um revolver intenso dos mesmos pensamentos, até lembrar do Tim: “Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia”.

Se a morte vem a galopes, a ansiedade para se encontrar alguma verdade é mais que galopante. Dessa maneira conturbada chega-se ao segundo passo: ou é flagrante ou é falado, e com a tecnologia somada a cara-de-pau, hoje em dia, pode ser escrito, por msn, e-mail, sms ou derivados.

Interessante perceber que chegado esse ponto a lembrança passa a ser fato e, realmente,“nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia”.

A conversa não foi no dia seguinte, foi uma semana depois…

– Vou perguntar mais uma vez! Você me traiu?

– Eu vou ter paz?

– Não enquanto não falar a verdade!

– A verdade eu já disse, mas você quer que eu diga o que você quer ouvir!

– Não seja sonsa! Eu sei que a verdade ainda não apareceu! Fala de uma vez! Ninguém sustenta uma mentira pública dessas por muito tempo. Melhor eu ouvir de você do que em algum comentário idiota das suas amigas idiotas!

O silêncio antes da verdadeira verdade é foda!

– Não foi nada demais, foi só um beijo…

– Nada demais? Como nada demais?!

– Um beijo só não é nada demais!

– E como foi? – mulher (eu) tem essa péssima mania de pedir os detalhes, CADA detalhe!

– Eu vi uma garota, puxei assunto e quando vi a gente estava se beijando. Percebi o que tava fazendo, parei, pedi desculpas e fui embora.

– Só isso? – fucei, fucei, e não descansei até saber tudo que poderia arrancar da criatura!

– Só!

– Sabe o que acho engraçado? Você que já se auto-regozijou pelos seus 10 anos há mais que eu e me chamou tantas vezes de imatura, de infantil, de criança… Existe infantilidade maior que essa? Imaturidade maior que não conseguir manter um relacionamento estável a beira dos 30?

– Desculpa, eu não queria ter feito isso e foi só um beijo – com os olhos cheios d’água.

– Só um beijo?! Adoro sua atitude reducionista… Queria ver se tivesse sido ao contrário…

– Eu tentaria entender, essas coisas acontecem!

– Engraçado… Nunca aconteceu comigo!

– Não significa que nunca acontecerá…

Ouvindo vários pedidos pra não terminar, aceitei manter o namoro, mesmo com um pedaço do coração lascado.
Quase 5 anos depois, ainda sem ter traído e com alguns chifres a mais, entendi que por mais que se ame alguém, ninguém está 100% imune, 100% livre de sentir-se atraído por outra pessoa. O difícil é aceitar isso, tanto quando vem do outro como quando vem da gente. Geralmente mentimos pra nós mesmos, não assumimos nossos desejos e por isso é tão fácil criticar os alheios. Não enxergamos nossos próprios erros e apontamos sempre em direção oposta ao nosso corpo.

7 Comentários leave one →
  1. Miss Biela permalink
    16 agosto, 2008 9:44 am

    Adorei a idéia, o pronunciamento de ambas as partes. Achei consciente o texto. Pé no chão, sem inflamação….

    Beijosssss

    http://www.travesseiromacio.wordpress.com/

  2. Greenie permalink
    16 agosto, 2008 2:11 pm

    “…por mais que se ame alguém, ninguém está 100% imune, 100% livre de sentir-se atraído por outra pessoa. O difícil é aceitar isso, tanto quando vem do outro como quando vem da gente.”

    Verdade verdadeiríssima, só que aceitar que esses sentimentos existem é apenas parte da solução.

    Beijo, Té!

  3. 16 agosto, 2008 3:16 pm

    Nossa,estou surpresa com seu bom-senso,tenho visto pessoas querendo levar tudo na base do murro em ponta de faca.Relacionamentos só se consolidam a partir de uma certa flexibilidade e certeza de ser amada,independente das situações.Concordo com você e repito:estou surpresa.Bjs.

  4. Amanda Andrade permalink
    16 agosto, 2008 4:50 pm

    Acho q traição é um assunto complicado… mtooo complicado… é indubitável que o texto esta mto bem escrito, como sempre… a Té escreve supeeeerrrrr bem! adoro! mas… falando sobre o tema que motivou este tópico…

    “…Ouvindo vários pedidos pra não terminar, aceitei manter o namoro, mesmo com um pedaço do coração lascado…”

    eu não sei se teria a msm reação.. sinceramente… é difícil juntar traição + perdão! por mais que eu possa ouvir e tentar entender o que houve… acho q a parir do momento em que tenho certeza… acabou!

    bjão

  5. Té Pazzarotto permalink*
    16 agosto, 2008 4:57 pm

    Obrigada meninas!!!

    É, Marcia, acho a flexibilidade fundamental num relacionamento.
    Tentar manter a cabeça fria é difícil, mas gritar e brigar exaustivamente não ajuda em nada…

  6. Marina Meirelles permalink
    17 agosto, 2008 12:13 am

    “Não enxergamos nossos próprios erros e apontamos sempre em direção oposta ao nosso corpo.”

    Great!

Trackbacks

  1. Retrato de uma Infiel « Na Ponta dos Dedos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: