Skip to content

Tentação

17 agosto, 2008

 

Você percebe, amor, quando eu chego mais perto

como um sopro de vento em busca de abrigo; à procura de você?

 

Difícil se desvencilhar do desejo quando ele se transforma numa nota marcante demais em sua vida. Das dominações mais poderosas que uma pessoa pode exercer sobre a outra, certamente essa guarda o perigo particular da onipresença.

E era um fato que eu e Carol nos desejávamos, apesar da amizade, mesmo com ela tendo namorado. Os olhares denunciavam isso e o tremular aveludado das nossas vozes sedutoramente entoadas nas conversas que tínhamos não negava a existência de toda uma tensão erótica existente entre nós duas. 

Trust me… Quem canta ela mesmo? – Escutei a música tocando baixinho assim que entrei no apartamento dela e me acomodei na sala. Fiz um esforço descomunal para não observar por muito tempo as pernas da garota, mas ela não tomou o menor cuidado ao olhar da minha boca para os meus seios.

– Acho que Dee Joy… Gostoso, não é? – Ela me respondeu com simplicidade enquanto voltou a arrumar sobre a mesa aquela pilha de papéis e livros que precisaríamos consultar.

– Excitante…

– Excitante, é? – Virando o rosto em direção ao sofá onde eu me encontrava sentada, ela provocou por brincadeira, mas eu respondi com seriedade:

– Sim, muito… Se você viesse aqui, eu mostraria o quanto…

– Eita… Quanto?

– Do tipo que me faria pegar você bem gostoso por horas, provocar, arranhar, até você não suportar mais e se entregar a mim; até você implorar também para me possuir.

– Gostei da parte do arranhar… Adoro isso nas costas, Nel… – Carol deixou um dos livros cair sobre a mesa.

– Venha aqui… Quero sentir você… beijar, morder… ver você me abrindo faminta, segurando minhas coxas…

– Sinto arrepios… Essa música que está tocando agora é boa para dançar juntinho, Nel…

– É sim… sentindo a respiração, o calor do corpo, as pernas enfraquecendo…

– As minhas já estão moles…

– É? Por quê?

– Porque você mexe comigo…

– É? Mexo sem precisar tocar em você?

– Mexe sim. E acho que arrasaria comigo se me tocasse realmente, – senti Carol ruborizar vindo em minha direção e o meu corpo reagir naturalmente com a visão daquela pessoa agora tão próxima.

– Seria bom se eu me sentasse assim em você? – Ela abriu as pernas sobre meu colo e me entrelaçou numa posição gostosa fazendo meu sexo umedecer.

– Você gosta de provocar…

– E você? Gosta que eu me balance assim fechando minhas pernas devagar, prendendo seu corpo no meu, encaixado? – Carol me perguntou comprimindo minha bunda com aquelas pernas fortes.

– Gosto, mas gosto disso também… – disse ao pressionar meus dedos nas suas costas, por baixo da blusa, arranhando-a levemente.

Enquanto nos beijamos, sentimos os olhares se derreterem numa reação elétrica a cada contato entre nossas peles.

– Nel, estou completamente molhada…

– Mostra pra mim…

Livrando-se das roupas, Carol deslizou lentamente pela minha coxa molhando-a em cada centímetro de extensão. Mudando agilmente de posição, ela alcançou o meu clitóris iniciando um movimento delicioso que arrancava a todo segundo um gemido mais forte de prazer.

– Como você pega gostoso… – Confessei ao mesmo tempo em que escorregava minha mão para dentro dela.

– Ah… Isso… Com força… Ah… Esfrega… Isso…

Orcar Wilde dizia que “o único modo de se livrar da tentação é cedendo a ela”. Na realidade, pode até não ser a única forma, mas foi certamente a que preferimos naquele instante – e por obvias motivações.

***

Querendo entrar em contato para sugestões ou simplesmente para prosear, escreva para aranelhaldatir@hotmail.com

6 Comentários leave one →
  1. wan. permalink
    17 agosto, 2008 10:36 pm

    Adorei, muito real o texto, quase pude sentir todas as sensações ao ler..
    parabéns!
    bjos…

  2. 18 agosto, 2008 9:36 am

    Uau!!!!!!!!São 9:35h ,segunda-feira,bela forma de começar a semana.

  3. Mah permalink
    18 agosto, 2008 12:12 pm

    Ainda to sem palavras….x__x

  4. Amanda Andrade permalink
    18 agosto, 2008 8:25 pm

    Wow… é… assim… ãh? Nel? Jura? noossaaaa estou completamente atônita… esplêndido…

    o.O.

    não encontro palavras para definir…

    mtooo bom! adorei!

    super beijão!

  5. Aranel permalink
    19 agosto, 2008 6:17 pm

    Wan, Marcia, Mah e Amanda,

    sinceramente, Muito Obrigada Mesmo!

    Transbordando de felicidade por saber que vocês se permitiram sentir cada palavra!

    Beijos e beijos! =]]]]

  6. 6 setembro, 2008 2:22 pm

    Amei o texto, lembrou bastante o início do meu relacionamento. Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: