Skip to content

Será que não já chega?!

23 abril, 2010

.

As palavras marcam! Muitas vezes marcam tanto ou mais do que uma violência física. O silêncio, como resposta, nesses casos não é o suficiente. Quando os “bons” se calam, os “maus” tem voz uníssona!

Hoje, durante uma aula, uma aluna resolveu seguir o exemplo do Secretário de Estado do Vaticano e disse que aquele pedófilo de Luziânia só tinha matado os 6 jovens porque era Homossexual. Que isso pra ela era doença, que todo gay era psicopata, tinha problemas e daí pra pior.

Definitivamente, não sou o tipo que se cala e estou pouco me lixando se vão saber que sou lésbica ou deixo de ser.

A resposta tentou ser dada! Na ausência da palavra passada a mim, ela foi literalmente “gritada”, mas com o barulho da sala, não foi ouvida. Todos os ânimos falsamente controlados pela professora, ela pediu que o assunto fosse encerrado com uma simplória frase “não temos como provar quem está certo”. Assim, sem maiores esclarecimentos.

Ao final da aula, minha “revolta” foi direcionada a figura “importante” naquela situação e disse que como professora ela havia sido omissa! Que se fosse pra não permitir a réplica, que ela simplesmente falasse que não admitia um discurso preconceituoso dentro da aula dela; ou ainda, que a aluna falasse, mas que ela esclarecesse que a HOMOSSEXUALIDADE NÃO É DOENÇA desde 1990 e que, se um dia foi considerada como tal, este grave erro era uma consequência de conceitos arraigados culturalmente. A “justificativa” veio pela idade da aluna. Por isso ela – a professora – não havia falado nada. Entretanto, disse eu, não há idade, nem nível de ignorância ou burrice que justifique a omissão. Não se trata de convencer alguém de uma verdade, mas de “coibir” a discriminação, principalmente num ambiente como se espera que seja a Universidade, um espaço democrático!

Ela, a professora, já sem saber o que dizer, falhou em sua lógica ao dizer que como ambiente “democrático” a aluna poderia ter falado… Desde quando a democracia e a liberdade individual permitem que se firam os direitos do outro?

Se era pra calar os demais, que não tivesse se ouvido um som sequer deste veneno mais que corrosivo que é essa PORRA DESSE PRECONCEITO! Portanto, caros, se estiverem no “limite” de sua segurança, não se calem diante dessas situações comuns, cotidianas e medíocres!

Na primeira noite
Eles se aproximam
Colhem uma flor de nosso jardim
E não dizemos nada.

Na segunda noite já não se escondem.
Pisam as flores
Matam nosso cão
E não dizemos nada.

Ate que um dia
O mais frágil deles
Entra sozinho em nossa casa
Rouba-nos a lua e
Conhecendo nosso medo
Arranca-nos a voz da garganta
E porque não dizemos nada,
já não podemos dizer mais nada

Eduardo Alves da Costa*

Se calar é permitir que um discurso preconceituoso se perpetue!

_____

* Obrigada Lilith

25 Comentários leave one →
  1. 23 abril, 2010 11:33 pm

    É cada uma que aparece. Qual será o remédio pra tanto preconceito? Porque isso sim parece uma doença!

  2. 24 abril, 2010 12:04 am

    Eu não tenho me calado sobre a atrocidades que estão falando por ai, principalmente ao caso da igreja, isso é só mais uma das ignorancias deles para fugirem das responsabilidades, foi o mesmo quando os heteros estavam aparecendo com HIV e começaram a falar que era doença de homossexuais e hj 70% da população com o vírus são heteros e os homossexuais os que mais se previnem.

    Puro preconceito, ninguém deve se calar ou deixar-se calar, temos que gritar e por para fora o que pensamos.

    Beijos

    • 24 abril, 2010 9:56 am

      Concordo “ninguém deve se calar ou deixar-se calar”!
      Beijos =*

  3. 24 abril, 2010 1:46 am

    Sempre que surge esse assunto, eu tenho vontade de me pronunciar. Mas eu tenho vergonha. E às vezes não me sinto seguro pra começar uma discussão. Eu tenho que perder esse medo e, quando for preciso, defender minhas idéias e lutar contra a ignorância.

    • 24 abril, 2010 10:00 am

      Acho que entendo a razão de sua vergonha, mas se pararmos pra pensar, o que há para nos envergonhar? Quem deveria sentir vergonha são “eles”, aqueles que discriminam… Estes sim estão fazendo algo de muito errado!
      Mas já é uma boa semente a sua vontade de falar e a sua consciência de que perder o medo é necessário.
      Obrigada pela visita e pelo comentário,
      Abraços…

  4. 24 abril, 2010 3:30 am

    Por isso digo que, embora não seja homossexual, eu defendo a bandeira. Não admito que me dirijam esse tipo de absurdo e não permito que o façam na minha frente sem que não haja resposta (assim como vc o fez).

    Essa coisa da idade, é interessante, pois eu já tive uma colega de 80 anos (do programa da usp para a terceira idade – o qual admiro muito) que às vezes interrompia uma ótima aula de urbanismo contemporâneo prá justificar algo com uma passagem da bíblia. Ela era uma pessoa maravilhosa, um amor… mas as professoras ficavam constrangidas e tentavam contornar a situação.

    De qualquer forma, isso que vc ouviu foi um absurdo!… e, prá mim, um completo atestado de ignorância.

    • 24 abril, 2010 10:06 am

      Entendo… Mas mesmo com 80 anos, tudo é questão de jeito, e no caso dessa aluna, acho que ela não chega aos 50. E, o ambiente que ela está, o bloco onde acontece essa aula, é um bloco (acho eu) que a maioria dos alunos são bi ou homo, e se não formos maioria, é 50% – 50%…
      Enfim, a conversa ontem durou mais de 20 min…
      Beijos, Caru…

      • 24 abril, 2010 11:51 am

        Então a omissão foi geral! Omissão dos 50% que são homo ou bi.. e omissão dos 50% que convivem com homo ou bi!

        Também acho que tudo é questão de jeito. Eu mesma tenho paciência prá discutir assuntos do gênero com minhas avós.

        Aliás, eu conquistei muita coisa na minha vida (principalmente em relação a mudanças nos meus pais durante a minha adolescência) pq soube argumentar. A diferença de gerações não é impedimento prá nada. A ignorância é que complica, né?

      • 24 abril, 2010 2:15 pm

        Com certeza…

  5. 24 abril, 2010 10:05 am

    Bom dia!
    É revoltante,ultrajante e humilhante esse tipo de colocação,ainda mais numa Universidade.
    A postura da professora reflete o pensamento de milhares de pessoas hetéros,que pensam a mesma coisa e só não expressam, por não ser politicamente correto.
    Essa aluna,ao vociferar essas imbecilidades,mostra que ainda é preciso evoluir muito nas causas gays,no quesito tolerância,respeito ao próximo e aceitação das diferenças.
    Um cara tipicamente homofóbico ganhou um programa de reality aplaudido por pessoas “modernas”,com o discurso da heterofobia.
    Estamos num momento bem perigoso para os movimentos gays,uma encruzilhada,ou avançamos e conquistamos nossos direitos ou haverá um retrocesso.
    Quando ao trecho da poesia é lindo,só não é de Maiakówsky,um engano não seu,mas da net de uma forma geral,que atribui um texto de um autor a outro.
    http://www.revista.agulha.nom.br/autoria1.html

    No mais,nossa alternativa é gritar e mostrar o quanto estamos vivos e lutando por nossos direitos.Escreva mais no blog,é um caminho para disseminar seus pensamento,beijão e cheiro.

    • 24 abril, 2010 10:19 am

      Obrigada pela correção…
      Gostaria de ter mais tempo para postar aqui, mas o relógio corre muito…
      Beijos e mais uma vez, obrigada.

  6. dapatativa permalink
    24 abril, 2010 10:43 am

    Isso realmente não deve ser permitido em momento ou local nenhum, quanto mais dentro de uma UNIVERSIDADE, em que se imagina ser um ambiente LIMPO desse tipo de pessoas, ou que mesmo que ainda tenha que estas sejam totalmente desmascaradas e postas para que se desfaça de seus preconceitos irracionais.
    Lindo o poema de Maiakówsky, mas me fez lembrar de um outro que irei postar agora no BLOG do DAPAS que foi lido ao final de uma discussão feita sobre homossexualidade, ver lá:
    http://dapatativadoassare.wordpress.com/2010/04/24/preconceito-nao/

  7. 24 abril, 2010 10:52 am

    Uma vez li em algum lugar que “a pior doença do mundo é o preconceito”.

  8. 24 abril, 2010 2:01 pm

    adoreiiii…
    já li algo assim e até fiz trancrevi para uma lição de português que era falar sobre a pedofilia
    “Se o preconceito pode matar,falta de informação pode cegar.Não confunda Homossexualidade com Pedofilia.O pedofilo tanto pode ser Hetero,Bi,ou Homossexual.!”

  9. Mauricio permalink
    24 abril, 2010 9:20 pm

    Se segundo a Igreja Católica a pedofilia é derivada do homossexualismo, eu não sou mais católico.

  10. Ana Carolina permalink
    25 abril, 2010 5:11 pm

    Como diz a música: “em guerra lutando por paz”, não?! Às vezes me sinto assim também…

    Não é a toa que sempre digo que o ser humano é o único animal racional e burro (ignorante) o suficiente para encarar as diferenças como defeitos. Vejo o preconceito como uma falta de inteligência, como uma doença moral ou uma doença de espírito.

    Por fim, algumas palavras de Thomas Merthon:

    “Deve ficar claro dessa confusão moral e mental do nosso tempo que a atual crise mundial é algo muito pior que um conflito meramente político ou econômico. Vai muito além de ideologias. É uma crise do espírito humano. É uma convulsão completamente moral da raça humana […] Não conhecemos de fato nem a metade das causas dessa convulsão. Não podemos fingir que compreendermos plenamente o que está acontecendo em nós e em nossa sociedade. É por isso que nossa fome de soluções claras e definitivas às vezes nos faz cair em tentação. Simplificamos demais. Procuramos a causa do mal e a encontramos aqui ou acolá numa determinada nação, classe, raça, ideologia, sistema. E descarregamos nesse bode expiatório toda a força virulenta do nosso ódio, misturado a medo e angústia, esforçando-nos em nos livrar do nosso pavor e de nossa culpa através da destruição do objeto que escolhemos arbitrariamente como personificação de todo mal. Ao invés de nos curar, isso se torna apenas mais um paroxismo que agrava nossa doenção…”

    Té, parabéns pelo post e pelo exemplo.

    😉

  11. Amanda Andrade permalink
    29 abril, 2010 10:41 pm

    Nossa.. faço idéia da raiva que vc sentiu e vontade de falar umas verdades para um ser como este!! afff….. ja me ferveu o sangue só de imaginar…
    Putz… como esta professora foi omissa! deveria ter falado algo.. não poderia ter deixado do jeito que deixou!! (vergonha alheia!!) humpt!

    • 30 abril, 2010 11:49 am

      A gente está pensando em fazer umas palestras durante o horário de aula mesmo, vamos falar com a coordenação pra ver isso, etc.
      Vamos ver se rola, né?!

  12. Jackie permalink
    3 maio, 2010 10:14 am

    “Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito”.
    Einstein sempre atual.
    Interessante, este fim-de-semana tive uma conversa que de repente saiu de amenidades para preconceito. Uma história longa, que creio não caberia no espaço para ‘comentários’. Mas eu creio que consegui mudar um pouco o pensamento de um recém-conquistado amigo, e de ‘alérgico a gays’ ele se tornou favorável a união de gays e adoção.
    Foi uma loooooooonga conversa. Mas fiquei feliz de fazê-lo enxergar a vida sem tantas sombras como estava vendo antes.

Trackbacks

  1. Preconceito NÃO « Diretório Acadêmico Patativa do Assaré
  2. Circo dos Horrores « Na Ponta dos Dedos
  3. Preconceito NÃO « Enecos - Executiva Nacional dos Estudantes de Comunicação Social
  4. Dia contra a Homofobia! « Na Ponta dos Dedos
  5. Preconceito NÃO | ENECOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: